PUBLICIDADE
ANUNCIE: ☎ 54 3614 2118
POSTO NONOAI
Lagoa Vermelha vai decretar situação de emergência por causa do granizo
Moradores de 300 residências precisaram passar a noite em casas de parentes e amigos
 Cerca de 2 mil casas foram danificadas | Foto: Defesa Civil / Divulgação


A Prefeitura de Lagoa Vermelha, no Norte do Rio Grande do Sul, vai decretar situação de emergência, nesta segunda-feira, após o município ser atingido por forte queda de granizo. A Defesa Civil municipal está finalizando o levantamento de danos, mas o prefeito Gustavo Bonotto destaca que os índices necessários para a homologação já foram alcançados.

Segundo dados contabilizados até o momento, mais de 2 mil casas foram danificadas em seis barros da cidade. Também ocorreram prejuízos em uma escola municipal, que terá as atividades suspensas amanhã e em um posto de saúde.

De acordo com o prefeito Gustavo Bonotto, a estimativa é de que moradores de 300 residências precisaram passar a noite em casas de parentes e amigos. Outras 10 famílias se abrigaram no Ginásio Adolfo Stella, no Centro, e em escolas. ”Ao todo já distribuímos mais de 70 mil metros de lona, como uma medida paliativa, para poder proteger os pertences das famílias que foram atingidas”, aponta Bonotto.

Com relação à doação de telhas, o prefeito destaca que equipes estão fazendo o cadastramento das famílias para repassar à Defesa Civil Estadual. O governo municipal pede doações de colchões, roupas e alimentos não perecíveis.

Conforme levantamento prévio da Defesa Civil gaúcha, ao menos 15 cidades tiveram prejuízos devido à queda de granizo. Além de Lagoa Vermelha, que foi a cidade mais atingida, o município de Cândido Godói, na região noroeste, contabiliza mais de 200 casas danificadas. Conforme o coordenador Estadual de Defesa Civil, coronel Alexandre Martins de Lima, o domingo ainda está sendo de levantamento das necessidades de cada prefeitura.

“A gente está utilizando todo o material da campanha do agasalho e, amanhã, devem estar chegando dois caminhões em Lagoa Vermelha, um com roupas e outro com colchões, enquanto as demais cidades estão encaminhando os pedidos pelas nossas reginais. O primeiro momento é de assistência e socorro, principalmente com a distribuição de lonas, seguido pelo levantamento do que a gente pode fazer para distribuir telhas. Mas esses são materiais mais complexos porque precisamos ter um controle maior, com nome, endereço e as famílias tem que estar em vulnerabilidade social para receber telhas”, explica.

Também há registro de danos em Passo Fundo, Vitor Graeff, Erebango, Gaurama, Ernestina, Lagoa dos Três Cantos, Porto Lucena, Campina das Missões e Santa Rosa.





Fonte: Prefeitura Municipal/CP