PUBLICIDADE
ANUNCIE: ☎ 54 3614 2118
POSTO NONOAI
Dólar cai e vai a R$3,20 com Powell e expectativa de Previdência
Moeda norte-americana desvalorizou 0,36% nesta terça-feira, atingindo seu menor nível desde o dia 20 de outubro deste ano, quando chegou a R$ 3,18; no mês, dólar acumula queda de quase 2%

O dólar fechou em baixa nesta terça-feira e voltou ao patamar de 3,20 reais, após o indicado para assumir o comando do Federal Reserve, Jerome Powell, reforçar a percepção de que a política monetária do banco central norte-americano continuará a trajetória de alta gradual dos juros.

A cena política interna também seguiu no radar dos investidores, mais otimistas com eventual aprovação da reforma da Previdência.

O dólar recuou 0,36 por cento, a 3,2087 reais na venda, menor nível desde 20 de outubro (3,1898 reais) e marcando sete de oito pregões seguidos em baixa. No mês até agora, a moeda norte-americana já acumulava queda de quase 2 por cento.

Na mínima do dia, o dólar foi a 3,2024 reais e, na máxima, a 3,2337 reais. O dólar futuro registrava queda de cerca de 0,60 por cento no final do dia.

"Powell indicou que a economia (dos Estados Unidos) não estaria superaquecida, o que leva à leitura levemente 'dovish' das expectativas para o comportamento do Fed no ano que vem", afirmou o operador da H.Commcor Corretora Cleber Alessie Machado.

Em sabatina no Senado nesta tarde, o indicado de Donald Trump à cadeira hoje ocupada por Janet Yellen disse que os salários não indicavam superaquecimento da economia e que estava surpreso com as recentes leituras fracas da inflação. Além disso, avaliou que a expectativa é de que as altas graduais de juros nos EUA continuem.

Com menos juros nos EUA, os investidores optam por alocar ou manter seus recursos em lugares onde o retorno é maior, como em países emergentes. No exterior, o dólar tinha leve alta ante uma cesta de moedas e operava misto sobre moedas de países emergentes.

O recuo mais firme do dólar ante o real veio também do humor um pouco mais revigorado para a votação da reforma da Previdência, com a notícia de que o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, deve assumir a presidência do PSDB, aumentado a possibilidade de unir novamente o partido, que faz parte da base aliada do governo do presidente Michel Temer.

Assim, os investidores respiraram um pouco mais aliviados com a avaliação de que esse movimento dos tucanos pode aumentar as chances de aprovação da reforma da Previdência, considerada essencial para o controle das contas públicas.

Mas a tarefa não será fácil. Segundo uma fonte palaciana, o governo acredita ter entre 270 a 280 votos a favor do texto apresentado pelo deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA) na semana passada, menos do que os 308 votos necessários para aprovar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC).





Reuters/DCI