PUBLICIDADE
ANUNCIE: ☎ 54 3614 2118
AL/RS
Legislativo de Não-Me-Toque deverá criar CPI contra prefeito
Prefeito é acusado de assédio sexual contra funcionários

A Câmara de Vereadores de Não-Me-Toque deverá abrir uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) que irá investigar as denúncias de assédio sexual contra o prefeito, Armando Carlos Roos (PP).  O requerimento de nº 006/18, é assinado pelos vereadores Carlos Alberto Bacher (PMDB), Alberto Maurer (PDT), Everaldo Quadros de Moura (PDT), José Gilberto Fritzen (PMDB) e Maiquel Delano Silva (PTB), e foi apresentado na noite desta segunda-feira (09) durante sessão do Legislativo.

A CPI tem prazo de conclusão de 120 dias e o objetivo é investigar os atos dos quais é acusado o prefeito municipal, de assédio sexual a duas mulheres quando estavam na condição de servidoras do Executivo.


O caso


O caso chegou ao conhecimento da comunidade após um vídeo circular nos grupos Whatsapp onde aparece uma mulher e o prefeito. Segundo uma das vítimas, em troca de cargo na administração, o chefe do executivo teria pedido favores sexuais. O caso é investigado pela Polícia Civil, sob o comando do delegado Gerri Adriani Mendes, que no dia 03 concedeu uma entrevista coletiva em Carazinho falando a respeito do caso. 


O que diz o prefeito


Em nota encaminhada a imprensa no último dia 03 deste mês, o prefeito disse que, ''por inúmeros motivos lamento este episódio, manifestando que as minhas ações sempre foram pautadas pelo respeito e obediência as leis, as autoridades e sobretudo a Comunidade Não-Me-Toquense, a qual peço desculpas pelo fato em questão principalmente pelo mesmo ter ocorrido junto ao Gabinete, o que acabou elevando a repercussão do caso''.






Fonte: Portal Gazeta