PUBLICIDADE
ANUNCIE: ☎ 54 3614 2118
AL/RS
Postos de combustíveis são notificados por preços abusivos no RS
Procon tem recebido centenas de denúncias no Rio Grande do Sul, que resultaram em 53 notificações. Na Capital, uma revenda de gás foi autuada por vender botijão de 13 quilos a R$ 100
Postos de combustíveis são notificados por preços abusivos em Porto Alegre e Novo Hamburgo. Fonte: Procon/RS - Rádio Gaúcha






Devido à greve dos caminhoneiros, desde a última quinta-feira (24), tanto o Procon Estadual quanto o Procon de Porto Alegre têm recebido centenas de denúncias da prática de preço abusivo por parte dos postos de combustíveis e revendas de gás. O resultado, até o momento, são 53 postos de combustíveis notificados e uma revenda de gás autuada. 

Dessas notificações, 43 foram feitas pelo Procon da Capital. Postos estavam vendendo a gasolina a R$ 4,87.  Além disso, na terça-feira (29), uma revenda de gás foi autuada na Avenida Oswaldo Aranha. A empresa vendia o botijão de 13 quilos, que custava R$ 75, por R$ 100. Segundo a diretora do Procon municipal, Sophia Vial, todas as equipes estão nas ruas verificando as denúncias. 

— Nós pedimos que quem verificar a cobrança abusiva, tanto do gás quanto na gasolina, nos acione imediatamente — afirmou.

As denúncias devem ser feitas pelo telefone (51) 3289-1774. Um novo balanço será divulgado no final da tarde desta quarta-feira (30). 

Em Novo Hamburgo, o Procon Estadual notificou 10 postos de combustíveis pela venda de gasolina com preço abusivo. O maior valor encontrado no litro do combustível foi de R$ 5,99. A diretora do Procon-RS, Maria Elizabeth Pereira, afirma que muitos municípios do interior do Estado só começaram a receber combustível nesta quarta-feira, por isso ainda não há um número exato de denúncias. Foi disponibilizado o e-mail proconestadualrs@gmail.com para o recebimento das reclamações.

— É importante que quem for denunciar tenha a nota fiscal do preço pago no litro da gasolina e anexe o documento à reclamação — ressalta.

Os proprietários dos postos de combustíveis têm agora 10 dias para apresentar as justificativas para o aumento do preço.



Procon/RS-Rádio Gaúcha