PUBLICIDADE
ANUNCIE: ☎ 54 3614 2118
POSTO NONOAI
Morre com 56 anos ex-vereador de Porto Alegre
Giovani Gregol estava internado no Hospital Dom Vicente Scherer, da Santa Casa

Um dos nomes importantes na defesa do meio ambiente em Porto Alegre, o ex-vereador Giovani Gregol morreu aos 59 anos, na sexta-feira. Internado havia dois dias no Hospital Dom Vicente Scherer, da Santa Casa, Gregol sofreu uma parada cardíaca — ele era diabético. 

Nascido em Porto Alegre, trilhou sua trajetória no movimento ambientalista. Foi integrante do conselho superior e diretor da Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural (Agapan) em diferentes gestões durante as décadas de 1980 e 1990. Pelo PT, foi vereador em duas legislaturas (1989/1992 e 1993/1996) e suplente entre 1997 e 2000. Depois, filiou-se ao PMDB. Gregol também foi secretário municipal do Meio Ambiente na primeira gestão de Tarso Genro (1993/1996).

Conforme informações da Câmara Municipal, Gregol teve atuação no movimento estudantil entre as lideranças ambientalistas  que cobravam esclarecimentos do poder público sobre o desastre ambiental conhecido como Maré Vermelha, ocorrido na praia gaúcha de Hermenegildo, na década de 1970. Como militante, participou na efetivação do Parque Estadual de Itapuã, na criação de grupos ecológicos e em outras iniciativas. Como parlamentar, teve atuação na proteção aos animais e na defesa de praças e da arborização de Porto Alegre.

Fora da vida política havia anos, Gregol gostava de ler sobre história, filosofia e astronomia.
— Era muito bem humorado, amava a natureza e os animais. Era um profundo estudioso das plantas. Nós recolhíamos animais de rua, como gatos e cães, e tratávamos. Em 40 anos, mesmo com a rotina, nós nunca ficamos sem assunto, eu nunca enjoei dele ou da voz que tinha. Sempre tínhamos o que conversar, coisas para ensinar. Ele era marcante. Uma pessoa brilhante — contou a mulher, Verena Daroldi Gregol, com quem foi casado durante quatro décadas.

Antigo correligionário, o vereador pelo PT Adeli Sell lamentou a morte de Gregol:
— Foi um dos primeiros ambientalistas mais conhecidos de sua geração. Para nós, foi um marco da luta ambiental. Lembro muito dele como um sujeito altamente espirituoso, bom frasista e de muito bom humor. Foi um grande guerreiro.

O corpo foi velado no sábado no Memorial Martim Lutero, na Capital, e a cerimônia de cremação ocorreu em Canela.



Fonte: Rádio Gaúcha