PUBLICIDADE
ANUNCIE: ☎ 54 3614 2118
POSTO NONOAI
Santa Maria - Médicos são punidos por descumprir jornada de trabalho
Em 2016, profissionais foram flagrados saindo mais cedo dos postos de saúde

A prefeitura de Santa Maria, na Região Central do Rio Grande do Sul, decidiu punir quatro médicos por descumprimento da jornada de trabalho. Outro profissional também está sendo investigado. O flagrante foi mostrado pela RBS TV em junho de 2016.

Um ginecologista, cujo nome não foi divulgado, foi demitido por não ir trabalhar e sequer justificar as faltas.

A pediatra Dalva Maria Londero recebeu suspensão de cinco dias. Na época, ela foi flagrada quando chegava ao posto de saúde por volta das 6h. Duas horas depois, ela ia para o consultório particular.

A defesa da médica afirma que ela é a única pneumopediatra do município e que, como a prefeitura não disponibilizava aparelhos para exames especializados, crianças acabavam sendo atendidas por ela no consultório particular de graça. A defesa diz ainda que a médica jamais deixou de cumprir a carga horaria.

A administração municipal puniu outros dois médicos. Uma clínica geral foi suspensa por cinco dias e terá que pagar R$ 25 mil por ter faltado ao trabalho e a uma perícia. Outro clínico geral teve suspensão de 30 dias e vai ter que devolver R$ 422 por dias não trabalhados.

Após as denúncias, a prefeitura instalou ponto biométrico para todos os servidores. "Aumentou-se e ampliou-se a fiscalização dos serviços prestados pelo município e também dos contratos que o município tem", afirma o controlador-geral do município, Alexandre Lima.

A sindicância do ginecologista Alexandre dos Santos Leite, que também foi flagrado em 2016, ainda não foi concluída. A defesa dele diz que "o descumprimento da carga horária é comum na rede pública de saúde" e que enquanto o SUS não pagar salários condizentes com a função médica, isso seguirá acontecendo.

O Ministério Público também investiga as denúncias contra os médicos nas áreas civil e criminal. Porém, nenhuma foi concluída ainda.








Fonte: G1